Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico
 
Quando nos posicionamos como analista cognitivo e examinamos cada item que estrutura o DMMDC em sua própria “natureza constituinte” como Multi-institucional (em Rede) e Multi/Inter/Transdisciplinar, verificamos que a ideia de um território sem fronteiras deverá ser acolhida por parte das instituições estruturantes, por parte dos docentes, por parte dos técnicos, por parte dos discentes e por fim por parte dos egressos. Neste sentido, é necessário a criação de mecanismos e dispositivos culturais que operem através do campo simbólico e no campo prático numa perspectiva em rede.
Com isso, levantamos alguns alvos a serem atingidos: 
 
1. Aplicar ou ajustar o Planejamento Estratégico construído, com base na perspectiva de rede.
2. Aprofundamento da responsabilidade compartilhada entre as instituições associadas, avançando no sentido de que outras instituições, além da UFBA, UNEB e IFBA, matriculem e diplomem estudantes;
3. Aprovação de novo Regimento do DMMDC, nos termos da Portaria CAPES 214/2017, nas instâncias deliberativas de todas as instituições associadas, com o objetivo de estabelecer de fato a forma associativa do Programa;  
4. Ampliação das videoconferências no fortalecimento das conexões entre as instituições, uma vez que duas delas não se localizam no município de Salvador - BA: UEFS (Feira de Santana - BA) e LNCC (Petrópolis - RJ);
5. Organização dos Eventos Internacionais já consolidados do Programa com a elaboração de projetos para concorrer ao PAEP e às agencias de financiamento local;
6. Organização dos dois tipos de eventos de caráter interno: Seminário Interno e Encontro dos Docentes do DMMDC;
7. Organizar regularmente sessões científicas do DMMDC com vistas a intensificar a troca e o diálogo científico entre docentes e discentes;
8. Incentivar a criação de uma "associação" de egressos do Programa.
9. Incentivar o intercâmbio entre os docentes das três linhas através da co-orientação de projetos dos doutorandos, com temáticas que aparentemente o docente não tem ambiência;
10. Participação de docentes das três linhas nas disciplinas ministradas no programa (decisão já homologada em reunião de colegiado);
11. Planejamento das bancas de qualificação e defesa das teses com a participação dos docentes das três linhas, considerando o pertencimento dos docentes (membros internos) em instituição distinta da Rede;
12. Construção das Equipes da Rede, considerando as afinidades a serem construídas ao longo do novo quadriênio;
13. Incentivar a construção de objeto híbridos entre Ciências Experimentais e Ciências Humanas e Aplicadas nos projetos guarda-chuvas;
14. Promover os diálogos entre os Grupos de Pesquisa, contando as distintas expertises, através da reestruturação da REDPECT;
15. Aumentar o suporte a produção e difusão do conhecimento publicando material didático na forma de vídeos e postando no site e nas redes sociais do DMMDC. 
16. Elaborar novos planos de inserção social e maximizar os projetos atuais. As estruturas das instituições estruturantes da Rede deverão ser redimensionadas numa perspectiva de aproveitá-las, a exemplo, dos sistemas de multicampia da Uneb e do IFBA. Os nossos projetos de oficinas de jogos digitais, de treinamento metodológico em pesquisa deverão ser difundidos pelos campis através dos estudantes de doutorado como forma de atividade complementar;
17. Reativar o projeto do Observatório de Comunidades de Práticas e Comunidades Epistêmicas que tem como finalidade cartografar as Tecnologias Sociais do Estado da Bahia;
18. Incentivar a construção de museus digitais para o uso da comunidade, a exemplo do museu digital do Quilombo do Cabula;
19. Construir blogs e publicar videos nas redes sociais do DMMDC com as etapas dos projetos e os resultados com as teses e projetos dos docentes;
20. Elaborar planos para a melhor distribuição da Produção Científica dos Docentes e Discentes;
21. Fomentar a escrita conjunta entre as linhas, através dos novos planos entre grupos de pesquisa e na formulação de projetos em conjunto;
22. A Internacionalização da produção com as novas medidas em relação à participação de docentes em pesquisas e eventos internacionais;
23. Aumento da publicação de artigos em periódicos de maior relevância para o programa;
24. Publicação entre orientador e orientando anualmente com a presença do co-orientador;
25. Organização de Coletânea dos eventos Internacionais do DMMDC;
26. Intensificar o uso da EAD como modelo híbrido de ensino;
27. Possibilitar a formação de recursos humanos através do Mestrado.
28. Consolidar a parceria com as universidades de Coimbra e Aveiro, e com as Universidades de Sevilha e Barcelona, uma vez que já foi ajustado a co-tutela com os nossos titulados;
29. Consolidar a parceria com o INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA - IPB envolvendo a participação dos discentes
30. Consolidar a parceria com o Instituto Superior Técnico de Lisboa – Universidade de Lisboa, o que permitirá intercâmbios de discentes e docentes entre as instituições.  
31. Aumentar número de projetos internacionais com participação de docentes e discentes.
 
GT de Autoavaliação e Planejamento Estratégico do PPG
Ana Menezes (Docente), 
Fátima Hanaque (Docente), 
Silvar Ferreira (Docente), 
Josemar Souza (Docente), 
Marcus Tulio Pinheiro (Docente), 
Urânia Maia (Docente), 
Antonio Carlos Souza (Docente), 
Erica Correia (Discente), 
Helio de Cristo (Discente), 
Sonia Pinto (Egressa), 
Beatriz Cardoso (Técnica Administrativa) e
Camila Serpa (Técnica Administrativa).
Português, Brasil